Entrevista Exclusiva: Bento Mello, guitarrista da Sioux 66

SIOUXZ_66_Foto_2Em mais uma entrevista da nossa série de exclusivas de 2017 conversamos com Bento Mello, guitarrista da Sioux 66. Bento falou sobre o recém lançado “Caos”, como foi abrir para o Aerosmith e o Papa Roach e muito mais.

A Sioux 66 faz um hardrock dos bons, com influências de Guns N’ Roses, Skid Row e claro, Aerosmith. Nas linhas abaixo você confere o nosso papo com o Bento e aproveita para conferir todos os links da banda no final dela.

Rock Noize: Primeiro gostaria que vocês apresentassem cada membro da banda e como foi o início de vocês no mundo da música.

Bento Mello: A banda é formada por Igor Godoi (voz), Mika Jaxx e eu, Bento Mello (guitarras), Fábio Bonnies (baixo) e Gabriel Haddad (bateria). Todos nos conhecemos por sermos muito fãs de Guns N’ Roses, acredito que foi a banda que inspirou todos nós a começarmos tocar ainda adolescentes. Cada um teve sua trajetória tanto em bandas tributo e autorais, e em muitos momentos nossos caminhos se cruzaram antes de tocarmos juntos em uma banda, somos amigos há mais ou menos dez anos. Tocamos todos juntos pela primeira vez em dezembro de 2011 já como Sioux 66 e poucas semanas depois essa formação foi oficializada.

Rock Noize: Vocês tem uma forte influência do hard rock, mas gostaria de saber quais são as bandas que fazem a cabeça dos membros da banda.

Bento Mello: Eu acredito que temos três influências principais, que são bandas de cabeceira dos cinco, são elas Guns N’ Roses, Aerosmith e Skid Row. Uma coisa que eu acho bem legal é que individualmente temos influências que abrangem muitos estilos diferentes dentro do rock e do metal. No meu caso, sou muito ligado ao hard rock e ao heavy metal oitentista, gosto de procurar bandas obscuras da época e também artistas novos que fazem um som com as características do estilo. Então vou citar duas bandas que ouvi muito recentemente, a primeira chama Outlaw Blood, que lançou apenas um disco em 1991, e a segunda é o Eclipse, uma banda sueca que transita pelo hard e pelo heavy com muita influência de melodic rock, o quarto disco deles saí agora em março.

Rock Noize: O ano de 2016 foi cheio, lançaram o ótimo “Caos”, abriram shows de Aerosmith e Papa Roach, ambos com cobertura do Rock Noize. Vocês subiram vários degraus no rock nacional, então contem pra gente como foi essa subida, todo o reconhecimento…

Bento Mello: Foi um processo bem longo, diria que começou logo depois do lançamento do primeiro disco (Diante Do Inferno) em 2013. Sempre buscamos todo e qualquer espaço para o nosso som, fizemos alguns shows grandes, tocamos algumas vezes nas rádios aqui de São Paulo e tocamos em outros estados, aprendemos muito nesse tempo. Quando começamos a trabalhar no ‘Caos’ fizemos alguns planos diferentes do primeiro trabalho para que pudéssemos subir mais degraus e também abrir novos espaços. A versão de ‘O Calibre’ partiu dessa vontade nossa. E quando estávamos preparando para lança-lá, rolou a possibilidade de mandar nosso material para a Sony Music e logo de cara eles se interessaram em trabalhar com a gente e isso já foi muito legal. Lançamos no final de agosto o single ‘O Calibre’, a repercussão foi muito boa e até maior do que imaginávamos e novamente uma grande oportunidade surgiu que foi a abertura do show do Aerosmith. Foram três meses entre o fim das gravações do disco, lançamentos e esse show, e foi um período de trabalho muito intenso mesmo, quando acabava uma coisa já vinha outra logo na sequência e muitas vezes eram situações que nunca tínhamos lidado antes e acredito que nos saímos muito bem. Uma coisa que foi muito importante no ano passado também foi o fato de termos criado uma equipe que nos deu um suporte fantástico o tempo inteiro.

Acho que tivemos esse reconhecimento pelos shows e pelo disco por causa desse esforço em conjunto para sempre sermos uma banda melhor, por sempre estarmos abertos ao aprendizado e por toda a nossa dedicação.

Rock Noize: Para fechar 2016 vocês estiveram na lista de melhores do ano pela Roadie Crew, uma das bíblias do metal nacional. Acham que essa é a prova do reconhecimento do público e da mídia? Como foi receber essa notícia?

Bento Mello: Foi incrível! Fui na banca ansioso pelo resultado, ficamos em oitavo na lista em 2013, mas juro que estar no Top 5 e ver o Gabriel, o Fábio e o Igor na lista foi uma sensação indescritível. Eu ainda tive o prazer de dar a notícia a todos. Acho que é o reconhecimento mais importante até o momento, muitas bandas lançaram ótimos trabalhos em 2016 e estar ali entre os cinco melhores mostra que conseguimos atingir positivamente muitos fãs de rock e metal.

Rock Noize: Mesmo depois de tudo isso vocês já têm shows agendados com bandas ainda independentes da cena, como Mattilha e Vox Ígnea. Como, agora, é transitar entre tocar no mesmo palco que o Aerosmith e em shows independentes?

Bento Mello: Acho isso natural, esse é o cenário que vivemos e é sempre um prazer dividir o palco com bandas que estão na mesma busca que nós, como nossos irmãos do Mattilha. Jamais passou pela nossa cabeça que depois desses shows grandes nos tornaríamos uma banda de ‘arena’ instantaneamente. Pela nossa ambição queremos ter essa rotina de shows grandes, mas ainda temos muito trabalho para isso, precisamos por exemplo, ainda expandir nosso público em outras regiões do Brasil.

Rock Noize: Vemos que muitos lugares verdadeiros seleiros de bandas novas do rock nacional como Hangar 110 e Inferno fechando. O que vocês acham disso? Como veem a cena hoje no Brasil?

Bento Mello: É muito triste, e infelizmente foge do nosso controle. Tocamos muitas vezes no Hangar e no Inferno, conhecemos pessoas incríveis e foi uma grande escola tocar nesses lugares. Em São Paulo ainda temos outras opções, mas é complicado perder em um espaço tão curto de tempo duas casas com estrutura boa para receber as bandas. Mas fora isso vejo um cenário se formando com muitas bandas crescendo e cada vez com mais qualidade, e não só em São Paulo. Tocamos recentemente no Rio de Janeiro em dois eventos e vimos de perto que lá também está rolando um movimento legal. Já dividimos o palco com bandas de várias regiões do Brasil, acho que em breve podemos ter um cenário forte de rock por todo o Brasil;

Rock Noize: Depois de um 2016 tão incrível, o que podemos esperar da Sioux 66 em 2017?

Bento Mello: Muitos shows! Estamos com a agenda aberta e já temos shows fechados em outros estados e outras coisas bem legais rolando. Em breve lançaremos um lyric video e continuaremos trabalhando o ‘Caos’ por todo o ano, então logo deveremos ter também um novo videoclipe.

Rock Noize: A gente já acompanha o trabalho de vocês há algum tempo, inclusive entraram na nossa lista de discos lançados em 2016 que indicamos aos nossos leitores, então deixem um recado para a galera que lê o Rock Noize, afinal vocês vão figurar por aqui durante o ano inteiro.

Bento Mello: Só tenho a agradecer vocês pelo espaço concedido para nós e tantas outras bandas da cena. Esse trabalho é muito importante para que possamos continuar divulgando nosso trabalho e o rock de maneira geral!

Para contratar o Sioux 66 os contatos são:

Email: contato@sioux66.com.br ou f.gorgatti@gmail.com

Telefone: 011 95220 8568 (Fábio Gorgatti)

Para conhecer mais do nosso trabalho:

Escute o álbum “Caos” em todas as plataformas digitais: https://smb.lnk.to/Caos.

Confira o videoclipe de “Tudo O Que Restou”: https://youtu.be/BY1IUb3hbh4.

Mais Informações:
Website Oficial: www.sioux66.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/sioux66oficial/
Twitter: https://twitter.com/sioux_66

Virtual Store: www.rockyourband.com.br

Muito obrigado Rock Noize!

Grande abraço

Bento Mello

Foto: Divulgação/Internet

Comentários