Confira nossa entrevista exclusiva com a Sabrina Sanm, vocalista da banda Kita

Neste mês a banda Kita, um dos destaques do programa SuperStar, está dominando o Rock Noize!

Também, não é para menos, o quarteto formado por Sabrina Sanm (vocal), Guilherme Dourado (baixo), Jayme Neto (guitarra) e Renato Pagliacci (bateria) está fazendo sucesso no cenário rock and roll brazuca.

E a gente aproveitou a oportunidade para bater um papo Sabrina, onde falamos da participação no programa, de suas influências e também do single You, novidade da banda!

Você confere a conversa nas linhas abaixo, tá bem legal!

Rock Noize: Inevitável, mas como foi a participação de vocês no SuperStar? Como foi conviver com tantas bandas boas e passar pelo crivo dos jurados (a Sandy como madrinha) e do público que assistia o programa?

Kita: Foi como entrar em um mundo paralelo, com os nervos à flor da pele. O tempo todo havia a responsabilidade de fazer o nosso melhor e representar o trabalho da maneira correta, pois sabíamos que ali, tudo seria eternizado e visto em larga escala. Lógico que estávamos sendo julgados, não só pelo juri, pelas outras bandas participantes e pelo público, mas o mais difícil era agradar a nós mesmos.

Quando o programa acabou, conseguimos absorver a experiência de uma maneira mais leve, apreciar mais o som das outras bandas e rir dos momentos difíceis e curiosos que passamos.

Rock Noize: O que mudou na vida de vocês pessoalmente e como banda, depois da participação no programa?

Kita: A maior diferença é existir como artista aqui no Brasil. Antes, quando falávamos: “Temos uma banda de rock eletrônico e as nossas músicas são todas em inglês”, a reação das pessoas era como se tívessemos dito: “Somos alienígenas verdes comedores de chinchila”. A participação no programa permitiu que muitas pessoas ouvissem nosso trabalho antes de etiquetá-lo. Também abriu portas nas rádios e casas de shows. Passamos a enxergar uma possibilidade de trabalhar a banda no nosso país, que não havia antes.

Rock Noize: Vocês já fizeram inúmeros shows fora do Brasil, tocando com nomes de peso da música mundial e abriram para o Paramore no Rio. Muitas bandas no Brasil, mesmo com qualidade, não chegam nesse nível. Vocês acham que falta alguma coisa para que muitas outras bandas possam fazer o mesmo? Como veem a cena de rock no Brasil?

Kita: A banda não surgiu do nada, do zero. Todos tem muita experiência, bagagem. Por mais de 10 anos eu e o Renato Pagliacci batalhamos com minha carreira solo e acabamos optando por criar o Kita, como se fosse a segunda etapa dessa batalha. Também contamos com a sorte de estarmos no lugar certo, na hora certa algumas vezes. Participar de festivais e shows com artistas tão grandes não foi algo fácil, mas acredito que conquistamos nosso lugar nessas oportunidades a base de muito trabalho, disciplina e empenho.

Existem algumas bandas de rock excelentes no Brasil, conheço algumas há bastante tempo e tive o prazer de descobrir mais outras esse ano. Infelizmente não consigo enxergar uma cena sólida, as bandas acabam enfrentando muitas dificuldades sozinhas, no clima “cada um por si”.

Temos poucos festivais com boa estrutura que abrem espaços pra bandas emergentes. São pouquíssimas as casas de show de médio porte. O público brasileiro também se acostumou a só querer ouvir hits, o que limita o interesse a artistas do mainstream ou bandas de cover. Mas isso também tem a ver com educação e cultura.

Rock Noize: Quais as influências de vocês e se pudessem indicar bandas ou artistas, gringos ou nacionais, quais seriam?

Kita: Nine Inch Nails, Muse, Incubus, Guano Apes, Garbage, QOSA, Mourning Widows, são alguns nomes que estão sempre presentes nos nossos playlists.

Rock Noize: Algo que sempre gosto de perguntar é como foi o processo de composição e produção dos discos de quem entrevisto. Bom, como foi para vocês? Vocês têm algum “método” para compor letras, músicas, produzir ou tudo vai “saindo” naturalmente?

Kita: Raramente, tenho uma inspiração súbita que me faz escrever uma letra e melodia inteira. Do nada, a música surge na minha cabeça, como um sonho! Mas como eu disse, é bem raro. O normal é trabalhar, tentar, ler bastante, ouvir muita coisa, entrar em um estado criativo no qual toda ideia, mesmo que seja uma palavra, é anotada, gravada, até que vire algo maior, ou seja descartada.

Normalmente nós começamos as músicas através de um esqueleto harmônico ou loops de bateria, em seguida vem uma melodia ou um riff de guitarra, e por aí vai. Muitas nascem direto pro lixo. O ideal é nunca parar de criar. Estamos sempre trabalhando.

Rock Noize: Como foi a recepção da mídia e do público com “Twisted complicated world”?

Kita: Ainda estamos divulgando o álbum, não dá pra ter uma leitura da reação do público em relação ao EP todo. Algumas pessoas dizem que as melodias são fáceis de absorver, que ficam na cabeça. Outras ficam apegadas às letras. São composições com muitas metáforas, por isso recebo muitas perguntas sobre o que tal frase quer dizer ou pra quem eu fiz aquela letra.

Rock Noize: You é o mais novo single de vocês, né?! Conta pra gente de onde veio a inspiração para escrever a letra?

Kita: A ideia da letra surgiu de uma discussão sobre a própria criação da música. Para dar mais intensidade, exagerei bastante ao escrever sobre a raiva e mágoa que estava sentindo na hora.

Rock Noize: Vocês pensam em algum dia, gravar um disco com letras apenas em português? É mais complicado na hora de compor, o “pensar em inglês”?

Kita: Não vejo isso acontecendo tão cedo. Eu fui alfabetizada em inglês, leio muitos livros, ouço muita música, assisto filmes, tudo em inglês. Na hora de compôr, pensar em inglês é mais fácil para mim, mais fluido. Acho o idioma mais melódico que o português. O Kita foi feito para tocar no mundo todo. Nós gostaríamos que todos no Brasil falassem a língua universal, mas sabemos que falta muito. Isso é mais uma daquelas questões de educação, cultura…

Rock Noize: Bom, quais os planos a partir de agora? O que o Rock Noize e os fãs podem esperar de vocês? Conta pra gente algo que ninguém sabe ainda?!

Kita: Estamos trabalhando em algumas músicas novas que pretendemos lançar muito em breve, como singles. Algumas dessas novas composições já fazem parte do nosso repertório de shows, então se você for à algum show do Kita, já vai poder conferir o que vem por aí. Também vamos lançar clipes novos, nos quais já estamos trabalhando nos roteiros. Tem muita novidade vindo para quem curte o nosso trabalho.

Rock Noize: Deixem um recado para a galera que curte vocês e vai conferir todas as novidades aqui no site!

Kita:  Se você gosta de Kita, não deixe de assistir nossos videoclipeshttps://www.youtube.com/KITASOUNDS

E acompanhe nossoas redes sociais:

Instagram @kitasounds

Twitter @kitasounds

facebook.com/thisiskita

Acompanhe os bastidores da nossa tour pelo Brasil no snapchat kitasounds.

E fique sabendo de todas as novidades através do nosso portal www.kitasounds.com.br

 

Foto: Divulgação/Internet

Comentários