Edu Falaschi reúne grandes nomes para reviver fase histórica do Angra em Porto Alegre

7Na noite da última quinta-feira, dia 27 de julho, Porto Alegre foi palco de mais um show da Rebirth of Shadows Tour, que já passou por outras quatro cidades do país. O encontro reuniu três ex-integrantes do Angra que influenciaram uma geração: Edu Falaschi (vocal), Aquiles Priester (bateria) e Fábio Laguna (teclado) – acompanhados de Diogo Mafra (guitarra) e Raphael Dafras (baixo) da banda Almah e do novo convidado, Roberto Barros, um dos maiores guitarristas do Brasil em destaque nos últimos anos.

O grupo super bem entrosado executou músicas dos discos “Rebirth”, “Hunters and Prey”, “Temple of Shadows”, “Aurora Consurgens” e “Aqua” (período de 2001 a 2012). Sem dúvidas, um momento inesquecível em homenagem ao Angra, dedicado aos fãs mais nostálgicos da segunda década da banda.

Quem compareceu ao Bar Opinião, “a tradicional casa de shows da capital gaúcha” – destacada como o mais importante palco da cena local pelo baterista Aquiles Priester, pode curtir quase 2 horas de apresentação. A intro Deus Le Volt! anunciou Spread Your Fire, a faixa que abre “Temple Of Shadows” (2004).

8

Em seguida, Acid Rain foi a primeira lembrança de “Rebirth” (2001), álbum de estreia de Falaschi; acrescida de Running Alone. Edu aproveitou os minutos iniciais para conversar com os presentes e dizer que estava com saudades do sul, onde já esteve por diversas vezes, e foi lembrado pela galera da grade que sua última apresentação havia ocorrido em 2016 (no Anime Extreme). Ao longo do show, o vocalista divertiu-se contando alguns detalhes de uma fase cheia de boas recordações.

Voltando à apresentação, o grupo seguiu com Temple Of Shadows em uma apresentação entusiasmada: “Eu sei que hoje é quinta-feira e o pessoal trabalha amanhã, mas podemos fazer um show mais longo essa noite?”, pergunta Falaschi, seguindo com a belíssima melodia vocal de Wishing Well.

As demais canções foram Hunters And Prey (Caça e Caçador), do EP homônimo (2002), que mistura elementos da música brasileira e traz uma versão cantada em português; Angel’s And Demons; e a emocionante Heroes Of Sand, que foi o hit entoado por todos os presentes. A turnê é focada em “Rebirth” e “Temple Of Shadows”, entretanto o “Aurora Consurgens” (2006) foi lembrado através de Breaking Ties, um dos poucos destaques do álbum.

3

Sempre como pedido especial do público, Edu interpretou em versão acústica Pegasus Fantasy, a faixa de abertura de Cavaleiros dos Zodíaco, um dos mais populares animes no Brasil (veiculado pela então TV Manchete e atualmente na Rede Brasil). Ainda no momento acústico, uma homenagem à música brasileira com o grande clássico Trem das Onze de Adoniran Barbosa, tornando o momento surpreendente para os mais jovens e de reconhecimento da cultura nacional para outros.

Após o solo de bateria, durante a conversa de Aquiles Priester com o público, o baterista declarou sua admiração por Falaschi – “este cara gravou dois dos discos mais importantes do metal mundial. Escreveu mais de cinquenta por cento das músicas do Angra, sendo os maiores hits da banda, e sendo inigualável e o único”, enfatizou Aquiles.

5

O baterista dispensa qualquer tipo de apresentação, nascido na África do Sul, cresceu na região da grande Porto Alegre e faz questão de demonstrar o contato que mantém com os grandes amigos e lugares por onde iniciou sua vida profissional. Pelo tal reconhecimento, dentro e fora do país, foi ovacionado mais uma vez após os 5 minutos de sua apresentação individual – uma incrível aula de ritmos.

Já Edu, pediu que todos os presentes  cantassem o hino do Rio Grande do Sul, um costume e tradição que declarou admirar sempre quando vem ao estado –  uma espontaneidade e “patriotismo” que, segundo ele, ainda falta em muitos lugares do Brasil.

Além de agradecer a todo grupo que o acompanha para relembrar uma importante fase do heavy metal nacional, o vocalista agradeceu ao Fábio Laguna por reaproximá-lo de Aquiles, para então pegar a estrada e dedicar aos fãs tudo o que conquistou com o Angra e os parceiros do Almah.

1

A apresentação seguiu com Bleeding Heart, outra som popular do EP “Hunters And Prey”, e seguida de outra balada, a Millenium Sun, de “Rebirth”. Poucos minutos depois, o grupo retorna de uma rápida pausa, e no palco o violão indicava a faixa-título de “Rebirth”, e que desde o primeiro acorde ao último, o público acompanhou cada nota, cada frase e “respiração”.

Ao longo da carreira, Edu Falaschi se reinventou. O músico paulista, que atua como compositor, arranjador, produtor e multi-instrumentista, contabiliza 27 anos de carreira dando a volta por cima após vivenciar problemas vocais. E mesmo que perceptíveis em pontuais momentos de uma apresentação mais extensa, o naturalidade e o carisma de Edu se sobressaem. Principalmente, quando comparamos isso a todas as obras que o cara escreveu e é capaz de interpretar e (re) criar.

4

Ao total, Falaschi já vendeu mais de 1 milhão de discos, gravou 15 álbuns e realizou várias turnês mundiais – especialmente no Japão, Europa, EUA e América do Sul. Além disso, tocou nos mais importantes festivais do mundo, como Rock in Rio, Wacken, Sweeden Rock, Monsters of Rock, Progpower, Rock Machina, Gods of Metal, etc. (Fonte: assessoria de imprensa).

 

Setlist:

Intro

Spread Your Fire

Acid Rain

Running Alone

Wishing Well

Caça e Caçador

Angels and Demons

Heroes of Sand

Breaking Ties

Pegasus Fantasy (Cavaleiros do Zodíaco)

Trem das Onze (Adoniran Barbosa)

Arising Thunder

Late Redemption

Drum Solo Aquiles Priester

The Temple of Hate

Bleeding Heart

Millennium Sun

Waiting Silence

Live and Learn

Rebirth

Nova Era

 

Texto e Fotos: Daiane Costa (veja mais fotos aqui) e Day Montenegro

Editor: Marcelo Coleto

Realização: Abstratti Produtora

Comentários