Encontro de titãs da psicodelia abalam a cidade de São Paulo

Sabe aquela coisa de “alinhamento de planetas” e “choque de estrelas”? Pois bem, tudo isso se tornou muita realidade na noite do último sábado, quando São Paulo foi testemunha de um evento mítico e raro: duas das maiores bandas do rock psicodélico da atualidade estavam com suas turnês acontecendo simultaneamente no mesmo lugar!

O grupo norte americano Earthless que está em turnê de divulgação de seu último disco, “Black Heaven“, lançado esse ano, sendo essa turnê inédita na América Latina.

Juntamente com eles, os franceses do Mars Red Sky que já estavam tocando aqui pela quinta vez na carreira e ainda em processo de divulgação do disco “Apex III“, de 2016. Acompanhando essa dupla de peso, o grupo Psilocibina, diretamente do Rio de Janeiro, veio para quebrar tudo e mostrar a força do rock psicodélico nacional e olha… fizeram valer a oportunidade.

Com a noite prometia ser longa, quando o relógio bateu por volta das 18:30 e as portas da casa foram abertas, foi questão apenas dos primeiros fãs tomarem suas posições para que o insano power trio Psilocibina assumisse o palco e desse início ao um dos shows mais brutais e espetaculares que eu já vi!

Diretamente do Rio de Janeiro, o grupo possui parceria com o selo e produtora Abraxas, que inclusive foi o cérebro por trás de ambas as turnês em questão no Brasil, o trio inundou a cidade São Paulo com um som instrumental, insanamente pesado e recheado de efeitos, tanto na guitarra quanto no baixo, mandando paulada atrás de paulada.

Com seu primeiro lançado nesse ano, o grupo trabalha pesadamente em um improviso controlado, transformando sua audição uma grande anarquia auditiva, mas que facilmente nos remete as bandas dos anos 70 por seus efeitos e potência sonora. Um puta show!

Após quase uma hora com o caminhão sonoro dos representantes brasileiros, era a hora dos já velhos conhecidos do público brasileiro, os franceses do Mars Red Sky transformarem o ambiente inteiro, de uma grande viagem psicodélica setentista colorida e iluminada, para um ambiente caótico e pesado, carregado de névoa e uma luz vermelha densa que alcançava até os cantos mais escuros da pista.

O trio francês não demorou para amaldiçoar a noite paulista e deu início a uma viagem transcendental pela sua discografia, que embora não muito extensa, consegue hipnotizar até os mais prevenidos.

Seu set se resumiu a pouco mais de 7 músicas, com direito a uma música inédita, que de acordo com a banda irá fazer parte do novo trabalho e que nem teve seu nome divulgado! Ou seja, boas surpresas nos aguardam.

Com praticamente metade do palco ocupado por pedais com superpoderes de distorção, o grupo não perdoou e tocou músicas como “Apex III“, faixa título do último lançamento, “Marble Sky” do primeiro disco e “Hovering Satellites“, do segundo álbum, dessa forma passearam tranquilamente por sua discografia e fizeram valer sua história sobre o palco.

Com pouco mais de uma hora e muito suor, o show do Mars Red Sky acabou, mas sem nem tempo de fazer a ressaca bater, todo o palco foi logo organizado para dar lugar a grande atração da noite, a inédita turnê dos californianos do Earthless, que estavam zero bala para tocar seu último disco, lançado alguns meses atrás, a cem quilômetros por hora.

O que de fato se realizou, já que após a primeira palhetada, os primeiros 20 minutos de shows foram de pura fritação intensa e destruidora! Por algum motivo, a banda estava desfalcada, já que o baixista que tocou com o trio, foi o competentíssimo baixista do Psilocibina, dando conta do recado e tendo que administrar todo o groove e peso que era despejado pela banda em forma de um grande dilúvio.

Famosos justamente por suas mega improvisações, o grupo fez a cabeça dos fãs com um espetáculo até difícil de descrever, porque é complicado explicar como algo tão simples: três caras com camiseta e calça jeans, são capazes de causar tanto estardalhaço sobre um palco.

O show estava tão frenético e os amplificadores tão poderosamente altos que ao sair da casa faltando uns 10 minutos para a apresentação acabar, mesmo a alguns metros de distância, era possível sentir um arrepio na espinha causado pelo som que emanava do galpão que o show estava acontecendo.

Mais um evento perfeitamente organizado pelos nossos parceiro da Abraxas e que trouxe tudo o que há de bom, tanto do rock mundial, quanto do nacional! Nota 100!

Para mais fotos das bandas, clique nos nomes a seguir:

PSILOCIBINA!

MARS RED SKY!

EARTHLESS!

 

Comentários