Entrevista Especial We Are One: “Ainda é estranho, no bom sentindo, voar para outro continente e encontrar pessoas que amam nossa música” – Much The Same

0010276478_10Dando continuidade a série especial de entrevistas com as bandas que irão fazer parte do excelente festival We Are One que promete fazer a cabeça dos fãs com o melhor do punk rock mundial, hoje temos uma conversa com o quarteto de Chicago, Much The Same, que voltaram a ativa depois de um longo hiato na carreira.

Sem lançar um disco de inéditas desde 2006, quando o excepcional “Survive” veio a vida, a banda está em estúdio para um novo álbum e a passagem pela América Latina significa um verdadeiro marco na carreira do grupo.

Seguindo a mesma linha das demais bandas do festival, o Much The Same vem com força total para mostrar toda sua qualidade e dividir o palco com os demais monstros do hardcore melódico que vão se apresentar.

Leia e aproveite a entrevista recheada de informações concedida pelo Chris Mcgrath, vocalista e guitarrista do grupo:

Rock Noize: A banda entrou em um hiato entre os anos de 2007 e 2015, qual foi o principal motivo para isso?

Chris: Olhando para trás, o principal problema era que o nosso relacionamento estava ficando tenso e não estávamos nos entendendo mais. Eu tenho culpa nisso, acho que eu era muito teimoso, controlador e geralmente não muito agradável de estar por perto. No entanto, eu reclamava da dificuldade de estar na banda em período integral por tanto tempo e não estar indo tão longe, acho que estávamos no melhor momento de nossas carreiras quando resolvemos parar, estava muito difícil continuar trabalhando juntos.

Rock Noize: E o que trouxe os membros a tocar de volta?

Chris: Me parece que estarmos separados por 8 anos acabou criando uma demanda para nós, conforme mais pessoas entravam em contato com nossas músicas depois que havíamos terminado a banda. Especificamente, eu tive a sensação que nós éramos capazes de tocar no festival Groezrock e com certeza nós temos capacidade de tocarmos imediatamente após voltarmos.

Além disso, eu sentia falta de trabalhar com música. Embora eu não seja um compositor frequente eu realmente gosto do processo criativo e levou muito tempo para que eu estivesse pronto para isso. Nós voltamos a tocar juntos sabendo que não faríamos apenas shows, nós tínhamos que escrever um novo disco.

Rock Noize: Seu último álbum foi gravado em 2006, algumas fontes da internet dizem que a banda está gravando novos materiais, isso é real? E quando vocês pretendem lançar?

Chris: Sim, definitivamente isso é um plano. Nós estivemos escrevendo desde antes da nossa reunião oficial, por volta de 2 a 3 anos. É algo bem lento, nós tivemos alguns percalços pelo caminho, mas agora nós temos muitas músicas terminadas e já avançadas. Todos nós temos nossas próprias carreiras e famílias que temos como prioridade e o nosso baterista, Jevin, vive do outro lado dos Estados Unidos em relação a gente, então isso torna tudo mais lento e difícil, mas sentimos que nossas novas músicas são tão boas quanto tudo que já fizemos antes e estamos animados para finalizar um novo álbum.

Rock Noize: Como a banda está se sentindo sendo uma das principais atrações do festival We Are One para tocar em vários países?

Chris: É muito surreal, por diferentes motivos. Primeiro, porque aqui nos Estados Unidos, skate punk não tem sido popular por muito tempo. Nós ainda temos fãs pelo país, mas parece que temos muito mais fãs na América do Sul! Isso sempre é estranho, no bom sentindo, voar para outro continente e encontrar tantas pessoas que amam nossa música. Segundo porque o Face To Face e o Ignite  são duas das nossas bandas favoritas e estamos honrados em dividir o palco com eles. Tornando a turnê muito melhor através de vários países!

Rock Noize: Much The Same é uma referência mundial  no estilo hardcore melódico/punk rock, vocês sente que a banda alcançou um alto nível ou que ainda há alguns passos que são necessários ser dados para alcançar um nível de sucesso?

Chris: Isso é difícil de dizer. Da nossa perspectiva, nunca chegamos tão longe quanto quisemos pela primeira vez. Nós já fizemos coisas incríveis, mas comparado com outras bandas do nosso estilo, somos pequenos. Mesmo que nós não estejamos mais viajando tanto eu acho que com as constantes oportunidades e um novo álbum, esse pode ser nosso melhor momento se as coisas andarem bem.

Obrigado pelas questões e nós vemos logo!

Se você ainda não garantiu seu ingresso, clique aqui e veja todas as informações do festival e compre seu ingresso!

Foto: Divulgação/Internet

Comentários