Entrevista exclusiva: “Agora estamos de volta, felizes e fortes como nunca!”, diz Eddie Breckenridge do Thrice

Uma das bandas que mais vem recebendo atenção nos últimos anos no meio alternativo, o Thrice, está com tudo pronto para sua turnê Latino Americana e seus shows em terras brasileiras no mês que vem e você já conferiu todos os detalhes dos shows aqui!

O Rock Noize fez uma entrevista exclusiva com o grupo para falar sobre o último disco, o relacionamento com gravadoras, a carreira e as expectativas para essa turnê inédita. Conversamos com o baixista Eddie Breckenridge, um dos fundadores do grupo e que lançou várias ideias que com certeza você vai curtir muito!

Estique as pernas se delicie:

RN – Após trabalhar com a Vagrant por algum tempo e ter gravado alguns discos por lá, o Thrice lançou uma nova música esse ano em parceria com a Epitaph. Como foi essa mudança? Vocês sentiram alguma mudança no processo de criação com a nova equipe?

Eddie Breckenridge – Nós sempre fomos fãs da Epitath desde que éramos jovens e nosso contrato com a Vagrant acabou após o disco “To Be Everywhere Is To Be Nowhere“. Então nós estivemos em condição de reavaliar e ver quais as opções para o futuro. O encontro com o Brett (Brett Gurewitz, fundador da Epitath Records) e a equipe da Epitath se mostrou algo muito agradável e vimos ali uma ótima oportunidade. Recentemente eu tive alguma experiência trabalhando por “detrás das câmeras” durante nosso período de hiato, quando eu trabalhei para uma produtora. Há pessoas maravilhosas ali… energias extremamente positivas.

RN – Seu último disco “To Be Everywhere Is To Be Nowhere”, foi realizado em 2016 e banda está em turnê desde então. Você sente que esse é a fase de maior maturidade da banda?

Eddie Breckenridge– Eu estou muito feliz de como a banda parece estar sempre aprendendo, se inspirando e com com fome de conquistar cada vez mais. Eu acho que o que eu estou tentando dizer é, sim, eu acredito que estamos maduros, mas eu não sinto que alcançamos um ponto onde estamos plenamente maduros. Estamos sempre em um processo de desenvolvimento e procurando novos caminhos que nos empurre para a complexidade, sentimento, capacidade de contar boas histórias, novas dinâmicas e por ai vai… isso é muito bom. A inspiração de crescer e de nos desafiarmos parece algo sem fim e excitante.

RN – No começo, entre 2000 e 2010, a banda lançou seis discos e agora (em quase uma década), entre 2010 e 2018, só foram apenas dois. Vocês transformaram o conceito da banda? Não focando apenas na quantidade de material, mas focando na qualidade?

Eddie Breckenridge – Bem, nós tiramos um intervalo por um breve período de 3 anos a partir de 2012. 2010 foi o começo de um caminho muito duro para a banda, lidando com emergências familiares e doenças e depois de mais de 10 anos fazendo longas turnês extensivamente, esses assuntos de saúde passaram a assumir um papel que nós tínhamos que dar um tempo. Então em 2015 nós decidimos nos reunir novamente e voltar a trabalhar com música juntos e fazendo shows. Foi um período difícil, mas uma pausa muito saudável para nós. Agora estamos de volta, felizes e fortes como nunca!

RN – Uma das melhores coisas no Thrice, na minha opinião, são os membros, vocês estão juntos desde o começo e alguns ainda tem carreiras solos em paralelo. Essa atividade musical constante é essencial para manter a inovação e o “espírito musical” vivos?

Eddie Breckenridge – Nós estamos sempre escrevendo músicas e somos fãs de música. Não há espaço para escassez de inspiração e ideias. Eu acho que o que nos mantém como banda trabalhando é que todos temos espaço e respeito pelas habilidades e ideias dos outros membros da banda. Por sorte nenhum de nós está tão preocupado sobre como nossas músicas serão recebidas pelo público, para nós é mais importante estarmos animados constantemente com o nosso trabalho. Acho que quando as bandas passam a se preocupar muito com a receptividade de seus trabalhos, elas perdem a perspectiva e a espontaneidade, que é justamente o que traz as pessoas para a música em primeiro lugar.

RN – A turnê pela América do Sul será o começo de uma longa turnê que se seguirá pelos EUA. Quais são as expectativas para os shows no Brasil, Argentina e Chile?

Eddie Breckenridge – Nós estamos realmente animados com essa turnê! Nunca estivemos viajando pela América do Sul antes e já faz tempo que queríamos ter essa experiência. Eu estou excitado com a ideia de encontrar e conhecer pessoas novas e compartilhar nossa música. Em particular estou interessado em ver e talvez andar de skate enquanto estiver por ai também!

RN – Muito obrigado pela atenção! Por favor, envie uma mensagem para os fãs brasileiros!

Eddie Breckenridge – Muito obrigado a todas as pessoas do Brasil que nos tem seguido por todo esse tempo. Vamos fazer esses shows e esperamos estar de volta em breve!

 

Imagem – Divulgação/Internet

Comentários