Entrevista Exclusiva: banda Trema fala sobre novo disco, cena do rock no Brasil e muito mais

Lá no começo de abril vocês conferiram aqui no Rock Noize duas músicas novas da banda Trema. Os caras já têm 21 anos de estrada acabam de lançar “Na Capital” com 10 músicas inéditas e vocês podem ouvir ao final da entrevista.

Recentemente conversamos com Márcio Zebini, vocalista da Trema, que falou sobre as novas músicas, o novo álbum, o cenário atual do rock brasileiro e até deu dicas para as bandas mais novas e as que estão começando agora. Vale muito conferir o nosso papo.

Nas linhas abaixo vocês conferem a entrevista na íntegra.

Rock Noize: Vocês lançaram recentemente o clipe de Fato com imagens de estúdio e ao vivo, algo que particularmente gosto muito. Como surgiu a ideia de fazê-lo assim?

Márcio: Olá, Marcelo. Esta canção, FATO, é uma das primeiras composições da banda. Quando pensamos no clipe acreditamos que seria a faixa perfeita para apresentar, em meio as imagens de estúdio, fragmentos de shows e making-offs da nossa história. Afinal, são 21 anos de estrada.

Rock Noize: O vídeo de A Cada Passo é emocionante. Como foi trabalhar com o Pedro e como ele foi elaborado?

Márcio: Muito obrigado pelas palavras. Conheci o Pedro há alguns anos e nos tornamos amigos. Um dia ele ouviu a canção ³A Cada Passo² e imediatamente mencionou que a letra tinha tudo a ver com a história de vida dele, de força e superação. O tempo passou e, quando decidimos gravar o clipe, comentei com o Pedro sobre a possibilidade de participar conosco. Ele topou na hora. Devido ao fato do Pedro morar nos Estados Unidos, montamos uma operação de guerra quando ele passou rapidamente pelo Brasil em dezembro de 2017 e gravamos todas as cenas do clipe em um só dia. Uma maratona. Mas valeu a pena. O clipe foi dirigido pelo Rafael Terpins e o Humberto Bassanelli, dois caras consagrados no cenário do cinema brasileiro. O resultado realmente ficou fantástico.

Rock Noize: Vocês têm um time de peso por trás de “Na Capital”, O Alexandre Fontanetti, o Eloy ,e o Jean Dolabela e o André Kbello Sangiacomo. Como foi trabalhar com eles? Como se deu o processo de gravação?

Márcio: Trabalhar com estas feras foi espetacular. Aprendemos demais. Gravamos algumas faixas do álbum no Family Mob, com o Kbelo e o Jean. Esses caras são profissionais fora da curva. E gente finíssima. Mais tarde gravamos outras faixas do álbum no Space Blues, com o Alexandre Fontanetti. Mas não sem antes contratá-lo como produtor. Ele acompanhou alguns ensaios antes de iniciarmos as gravações e isto fez toda a diferença. Ter ao lado da banda quem conhece tudo de música e emite opiniões sinceras sobre o seu trabalho, sem filtro,
ajuda muito na evolução de quem está disposto a ouvir e melhorar. Quanto a qualidade sonora, em ambos os estúdios, dispensa comentários. E depois enviamos as 10 faixas do álbum para masterizar com o Carlos Freitas, outro
monstro da música brasileira.

Rock Noize: O que podemos esperar das letras e da sonoridade do novo disco?

Márcio: A ideia central em todas as letras é passar mensagens, abertas e subliminares, que façam realmente as pessoas refletirem. Quanto a sonoridade, a única certeza que temos é que realizamos um trabalho longo e cuidadoso, sem nunca abrir mão do que realmente curtimos tocar.

Rock Noize: Você estão juntos há 21 anos e como vocês vêm a mudança na cena rock brasileira? Afinal vocês surgiram com muitas bandas independentes, que assim como a Trema, estão aí até hoje.

Márcio: Muita coisa mudou de lá pra cá na cena do rock. No tempo da demo na fita-cassete havia outros desafios, como a dificuldade para divulgar seu som e o controle absoluto do mercado pelas gravadoras. Hoje o seu som pode
alcançar milhões de pessoas com um clique. Mas todo mundo pode também. Então, se você não tiver bala para bancar os custos de divulgação online, seu som se perde na multidão. Por isso acreditamos que, por exemplo, a volta dos discos de vinil, por exemplo, é um sinal para as bandas independentes. Há mercado de nicho e público sim, para quem acredita e desenvolve trabalhos com qualidade.

Rock Noize: Mesmo com o streaming, o Youtube e outras formas de divulgação (como blogs, por exemplo) que chegaram para facilitar o acesso à música, vocês sentem uma cena menos movimentada no quesito shows? Já que tivemos recentemente o fechamento de casas clássicas de rock como o Inferno e o Hangar 110 em São Paulo.

Márcio: Com certeza. As casas de show deveriam liderar um movimento forte de, em pelo menos um ou dois dias por semana, abrir espaço para bandas autorais. Seguir o exemplo europeu. É isto que cria a cultura do ³novo² no público e traz perenidade para a casa. Cover é bacana, mas sempre será uma cópia. Tem que estimular a moçada a garimpar, ouvir o novo!

Rock Noize: Vocês acreditam que muitos shows internacionais, festivais e até de certa forma a repetição de bandas gringas vindo ao Brasil tantas vezes em pouco tempo influenciam no rock nacional?

Márcio: Acreditamos que não. Há espaço para todos.

Rock Noize: Com 21 anos de história na música e muitas histórias pra contar, o que vocês podem passar para as bandas mais novas e até para as que estão se formando hoje?

Márcio: Nunca desistam. E façam sempre, e somente, o que vocês realmente acreditam. Toquem o que vocês (todos na banda) realmente gostarem. Adaptações comerciais no seu trabalho são o primeiro passo para o fracasso anunciado. E procure gente bacana para estar ao seu lado na banda.

Rock Noize: E o que nós podemos esperar da Trema nos próximos 21 anos? Como vai ser 2018?

Márcio: Vamos com tudo! Dia 27/4, sexta, lançaremos o álbum completo em todas as plataformas digitais com a Ditto Music, e também o nosso CD. No segundo semestre sairá nosso vinil. E agora começa a agenda de shows. O primeiro já está marcado: Dia 03/05, quinta, a partir das 20h, no Espaço Som, Rua Teodoro Sampaio, 512, Pinheiros, em São Paulo. Estão todos convidados a participar com a gente deste show de lançamento do álbum “Na Capital”!

Rock Noize: Muito obrigado pela entrevista, parabéns pelo novo trabalho e precisando é só chamar!

Márcio: Nós que agradecemos, Marcelo! Muito obrigado. Abração

Foto: Divulgação/Internet

Comentários