Entrevista Exclusiva: Detonautas fala sobre o novo disco e lança single inédito

Detonautas Roque Clube

O Detonautas Roque Clube está para lançar seu mais novo álbum, “VI”, que é o sucessor do disco “A Saga Continua” de 2014.  A banda também lançou o single Nossos Segredos que veio em formado de lyric video e vocês podem assistir abaixo.

Aproveitando os lançamentos a gente aqui do Rock Noize resolveu fazer uma entrevista exclusivas com os caras onde eles falam sobre este novo trabalho, o cenário atual do rock nacional e muito mais! Confira nas linhas abaixo e depois assista o lyric video de Nossos Segredos.

Rock Noize: Em breve vocês vão lançar o disco “VI” que celebra os 20 anos de carreira da banda. Olhando pra trás vocês consegue perceber o quanto mudaram? Pensaram que chegariam tão longe?

Vinte anos passam rápido quando você faz o que ama. São muitas histórias, muitos quilômetros, muitos altos e baixos e só quem realmente esteve nesse barco com a gente desde sempre sabe o quanto amadurecemos, o quanto aprendemos, o quanto nos esforçamos, o quanto trabalhamos duro para viver de Rock num país como o Brasil. Amamos nossa cultura e temos orgulho de sermos uma banda que canta Rock em português. Desde o início tínhamos como meta viver desse sonho e nos dedicar a fazer o que mais gostamos: criar, cantar, tocar. Mudamos muito e quem não muda é porque deve estar com sérios problemas. Porém sempre mantivemos nossa essência contestadora, provocativa e romântica.

Rock Noize: Sabemos que este é o sexto álbum de vocês, mas por que da escolha do título “VI”? Existe algum outro significado para o nome?

O algarismo Romano tem uma estética bonita. Então aproveitamos que é nosso sexto disco e usamos essa forma para dar um ar mais gracioso ao álbum.

“São muitas histórias, muitos quilômetros, muitos altos e baixos e só quem realmente esteve nesse barco com a gente desde sempre sabe o quanto amadurecemos, o quanto aprendemos, o quanto nos esforçamos, o quanto trabalhamos duro para viver de Rock num país como o Brasil.”

Rock Noize: Esse disco conta com 10 faixas, sendo uma a regravação de “Na sombra de uma árvore” do Hyldon. Como foi pra vocês regravarem esse clássico do MPB?

Estava participando de uma apresentação do meu grupo de poesia e música chamado “Voluntários da Pátria” no Teatro Ipanema. Eis que um poeta e amigo chamado Edu Planchez começou a cantar essa canção e eu estranhamente comecei a cantar sem me lembrar que já conhecia ela. Quando fui pesquisar, vi que era um clássico do Hyldon, que é um artista nobre de nossa clássica MPB. Encaixou lindamente com o arranjo que bolamos para ela e com a mensagem do disco. Adoramos fazer essa versão.

Rock Noize: Esse novo trabalho foi feito de forma totalmente independente, quase uma volta às raízes. Quais dicas vocês dão para quem está começando agora?

Uma volta total as raízes. Gravamos e produzimos tudo. Foi um trabalho duro, mas que dá muito prazer em ver pronto. A dica que damos a quem está começando é fazer principalmente aquilo que se acredita. O sucesso está primeiro em criar e produzir aquilo que você gosta, todo o resto é consequência. E óbvio, ocupar todos os espaços possíveis. com o viés da internet, qualquer pessoa consegue compor, gravar e mostrar sua obra para um público legal. Não é do dia pra noite, mas com dedicação e um pouco de sorte as coisas acontecem.

Rock Noize: Na época que vocês começaram a internet não era um grande meio de divulgação de músicas. Como vocês olham o cenário rock nacional atualmente com a internet? Essa facilidade obviamente contribui para a divulgação das novas bandas, mas será que o público ainda procura por essas bandas?

A internet é muito positiva pois democratiza a informação e o acesso para um bom número de pessoas, diferente dos meios de comunicação mais tradicionais que dependem de um monte de outras variáveis para oferecer espaços aos artistas.

No entanto ela pulverizou o mercado. Criou muitos nichos e esses nichos estão constantemente se renovando numa velocidade muito feroz, o que faz com que o público muitas vezes não crie um vínculo com o artista. Essa nova geração, sem generalizar, consome música de forma muito descartável. Então o trabalho mais difícil é fidelizar um Público.

As novas bandas ficam numa posição delicada, pois ao mesmo tempo que tem muitos espaços, o consumo é muito rápido, fica mais difícil se manter.

Rock Noize: Como foram os processos de composição e gravação deste disco? Quais as diferenças com relação aos trabalhos anteriores, em especial “A Saga Continua”?

Foi bem difícil compor pra esse disco. Porque fiquei muito envolvido com as questões políticas do país nestes últimos tempos e isso me deixou muito duro. Todo o meu campo imaginário, criativo, mais leve, se congelou e num dado momento fiquei com medo de não conseguir escrever mais nada que fosse poético, leve, divertido.

Essa ansiedade também não colabora, então comecei a me cobrar a compor e não estava funcionando bem. Até que comecei a buscar inspirações em lembranças, momentos, personagens que criei para desenhar as letras e aos poucos foram surgindo as novas canções.

Eu levava as músicas que compunha para o Estúdio e então começamos a brincar com elas até que chegássemos no formato para então buscar a produção.

Foi um processo lento no começo, mas depois que pegamos o ritmo flui muito bem. Ficou lindo.
“A saga Continua” foi mais uma compilação de singles e músicas criadas entre 2010 e 2014, quando lançamos. Processo bastante diferente.

Rock Noize: O que podemos esperar das novas composições e a pegada das músicas?

É um disco libertador. Que flutua entre o Rock, a MPB Rock, experimentações com outros ritmos como o bolero e com uma pegada mais espacial. As letras falam de amor, saudade, liberdade. Algumas são confessionais, outras levantam uma bandeira de Trégua nos conflitos existenciais que estamos vivendo no país.

Gostaríamos de agradecer ao Detonautas pela disponibilidade e atenção com nós do Rock Noize. Abaixo você confere o lyric vídeo para a faixa Nossos Segredos:

Foto: Fabiano Santos/Divulgação

Comentários