Entrevista Exclusiva We Are One Tour: “Mal podemos esperar para desembarcar ai!”, diz Andrew Neufeld (Comeback Kid)

Para os desinformados, o ano de 2018 traz consigo mais uma edição do festival We Are One Tour (clique aqui para mais informações), já famoso por suas edições históricas trazendo grandes nomes do hardcore mundial e reunindo em um mesmo palco lendas nacionais e internacionais. E como não poderia ser diferente, esse ano temos um line-up super especial com representantes do Canadá, Brasil e Estados Unidos!

Se você ainda não garantiu o seu ingresso para a edição de São Paulo, é melhor correr atrás, pois até o final do mês de Setembro, mais de 70% dos ingressos já estavam vendidos! Ou seja, por favor, não fique vacilando ai não!

Em parceria com a produtora Solid Music, que é a cabeça por trás desse mega evento, nós da Rock Noize conseguimos trocar uma ideia com as principais atrações do festival e da mesma forma que já postamos anteriormente a entrevista com os canadenses do Belvedere, agora chegou a vez da lendária banda de Winnipeg, Comeback Kid! Tivemos a oportunidade de conversar com o vocalista Andrew Neufeld sobre o tempo de estrada, o último trabalho do grupo e as previsões para o futuro.

Leia e aproveite!

RN – Com mais de 10 anos de estrada, como a banda vê a carreira nos dias de hoje? Quero dizer, depois de tanto tempo tocando e viajando, qual a grande diferença entre agora e o começo?

Andrew – Bem, eu acredito que a grande diferença é apenas a experiência. Eu ainda tenho arrepios na espinha e fico muito emocionado durante as apresentações, assim como no começo, só que agora eu meio que sei exatamente o que esperar e quais serão as expectativas dos shows. Até mesmo de acordo com os países que nós visitamos (especialmente aqueles que vamos constantemente), quais os tipos de locais onde os shows vão acontecer, como por exemplo, se serão mega festivais ou pequenos clubes.

RN – Nos últimos anos a banda fez algumas pequenas mudanças no line-up, como foi o processo de gravação desse último disco com o novo baixista e especialmente, um novo baterista, depois que o baterista Kyle Profeta saiu da banda, já que ele estava desde o começo do grupo?

Andrew – Nós tivemos algo como 8 baixistas hahaha. Parte de estar em uma banda por mais de uma década significa aprender em como tocar com diferentes músicos ao longo do tempo e da carreira. Você simplesmente não pode esperar que todas as pessoas sempre queiram compartilhar os mesmos caminhos da vida que você, especialmente por tanto tempo.

E para ser honesto, é muito divertido trazer novos membros e novos músicos para a banda, novas pessoas sempre trazem uma nova mistura e acabam transformando toda a dinâmica. Houveram membros que eu fiquei muito triste em vê-los indo embora, mas ao mesmo tempo, houveram vezes que a saída representou verdadeiramente novos ares em nossas vidas.

RN – Ainda falando sobre seu último disco, como foi trabalhar com uma nova gravadora, a Nuclear Blast? A NB é mundial conhecida por trabalhar com bandas de metal, um mercado um pouco diferente do ambiente hardcore que o CBK faz, vocês sentiram algo diferente depois de trabalhar tanto tempo com a Victory?

Andrew – Nós fomos diretamente para a Nuclear Blast porque eles possuem um maior alcance mundial. Nós já vimos os benefícios dessa mudança especialmente na Europa! Saímos da Victory pois nosso contrato havia acabado e nós já havíamos gravados todos os discos que estavam prometidos por contrato.

Sobre a Nuclear Blast, sim, eles são um selo mais voltado para o metal, mas seria isso ou ir para outra gravadora onde tenderíamos que voltar nosso mais para o punk rock. Mas será que isso realmente importa em 2018? Eu não acho que as gravadoras carregam mais o mesmo peso de rótulos que elas tinham à alguns anos atrás.

RN – Se eu não estou enganado, a última vez que vocês estiveram por aqui, em 2016, vocês fizeram 4 shows certo? Aquela foi a primeira vez da banda no Brasil? Como foi a experiência?

Andrew – Sim, mas se eu não engano, aquela foi a terceira vez que o Comeback Kid esteve no Brasil. Foi sensacional ver como os shows continuam sendo experiências surreais e tenha certeza que fazemos ai, um dos mais divertidos do mundo.

RN – Olhando para a agenda da banda, vocês tem uma longa turnê pela frente até o final do ano, como estão sendo os shows? Os fãs estão dando um bom feedback do último disco?

Andrew – Nosso novo trabalho, “Outsider“, tem se saído espetacular! Nós sempre tocamos uma coletânea de músicas novas e antigas, para fazer um bom mix, já que sabemos que existem pessoas que gostam de diferentes momentos da nossa carreira. Eu tenho tentado encaixar toda a agenda da turnê em 2018, porque nosso guitarrista, Jeremy, vai ter seu segundo filho em 2019! Estamos fazendo milagre, organizando o máximo que nós conseguimos! Estamos em New Orleans, depois vamos para a Florida e ai direto para a Holanda, para tocarmos em um festival.

RN – Muito obrigado pela atenção! Por favor, envie uma mensagem para os fãs brasileiros!

Andrew – Mal podemos esperar para desembarcarmos ai!

Foto: Divulgação/Internet

Comentários