Megatubarão: um filme cheio de clichês e por isso tão divertido

Sem essa de grandes análises cinematográficas de roteiro, direção, fotografia e por aí vai. Megatubarão está longe de merecer esse pensamento, assim como também está longe de ser um blockbuster, mas diverte no que se propõe a fazer: divertir.

O longa estrelado por Jason Statham é cheio de clichês, a começa pelo próprio personagem de Statham, Jonas, um badass que viveu um resgate traumático cinco anos antes de quando se passa a atual história. No resgate homens morreram para que outros fossem salvos.

Jonas se isola na Tailândia depois dos problemas de sua controversa decisão quando é chamado para um resgate semelhante, mas dessa vez que envolve sua ex-mulher. Ela e outros membros da equipe chegam ao “chão” do mar, há 11 mil metros abaixo da superfície da terra, um local que nem se pensava que existia.

Se você assiste Discovery e afins por aí deve saber que quanto mais fundo se vai no oceano, mais se encontram criaturas estranhas, aterrorizantes e até alguns fósseis vivos. É nessa pegada que eles encontram o Megatubarão, ou Megalodon, como é conhecido mais cientificamente.

O tubarão tem mais de 20 metros de comprimento e pensava-se que estava extinto, porém Jonas – diferente daquele da baleia -, terá que se defrontar novamente com seu algoz de anos atrás. Mas dessa vez será um pouco diferente.

No resgate uma fenda se abre no que, digamos, é o “céu” das profundezas do oceano, o que faz com que o mega passe para o “mar aberto” e é aí que os problemas começam. Assim como seu antecessor menor, o Tubarão de Steven Spielberg, é claro que o mega vai para uma praia cheia de banhistas com boias e até um casamento.

Bom, sem mais spoilers, até porquê vocês terão uma surpresa em algum momento, Megatubarão apresenta muita coisa que a gente gosta: um herói quase anti, mala e chato pra cara***, um monstro pré-histórico que volta das profundezas, como Godzilla, King Kong e tantos outros, e muitas vítimas em potencial.

O filme vale pela diversão e por tudo isso que falamos, não para grandes análises como falamos acima. Assista sem grandes expectativas e sem medo de ser feliz.

 

 

Foto: Divulgação/Internet

Comentários