Para ouvir na “caixinha”

Falar de música e não falar de versões não faz sentido né? Eu sei que a coluna é só sobre música brasileira, mas nada me impede de escrever sobre releituras de obras de outros países, certo? Então vamos lá!

Pegue sua cerveja, seu cigarrinho e aperte o play nos links dessa matéria, porque vale a pena ouvir na sua “caixinha”.

O tema de hoje é sobre a música Little Boxes, composta por Malvina Reynolds em 1962. A canção ironiza o crescimento dos subúrbios americanos pós Segunda Guerra Mundial. Na letra ela diz: “caixinhas feitas de ticky tacky // caixinhas todas iguais”, onde ela zomba o fato da habitação suburbana ser brega, uma referência por terem usado um material de má qualidade na construção.

imagem 2

Malvina Reynolds – Little Boxes

Já em 1969, a musa da Bossa Nova, Nara Leão (que com certeza vai ter uma matéria especial aqui), regravou no disco Coisas do Mundo, a sua versão da música.

Ela manteve a mesma pegada de crítica social, porém, acredito eu (posso estar errada, porque não achei nada historicamente falando sobre, mas é a minha percepção) alfinetando uma parte da classe média/alta que não se impôs contra a Ditadura Militar que rolava na época. Ao mesmo tempo que o som é fofo, a letra é totalmente irônica.

“As pessoas dessas casas vão todas pra universidade

Onde entram em caixinhas quadradinhas iguaizinhas

Saem doutores, advogados, banqueiros de bons negócios

Todos eles feitos de tic tac, todos, todos iguaizinhos”

A diferença mesmo entre as músicas encontra-se na parte instrumental. Enquanto a versão da Nara tem pegada meio circense, a da Malvina já vai para o folk.

imagem 4

Nara Leão – Little Boxes

Espero que tenham gostado, porque eu adoro a versão em português ♥

 

Ariane Arrabal é Produtora, formada em Rádio e TV e acredita fielmente que entende de música brasileira. Divertida, adora participar de boas conversas sobre universo brasiliano.

Confira outros textos da coluna Brasilidades Dissoantes neste link.

Fotos: Divulgação/Internet

Comentários