Paulo Miklos explora brasilidades no ótimo “A Gente Mora no Agora”! Escute

20638299_1708361215873161_5807248563188631980_nSexta-feira chegou e a gente abre o fim de semana por aqui com “A Gente Mora no Agora”, novo CD do Titã Paulo Miklos. Neste trabalho ele se aprofunda nas música brasileira e mostra – mais uma vez – toda sua versatilidade.

Mais de trinta anos a frente de uma das mais importantes bandas do rock brasileiro fizeram Miklos acumular bagagem suficiente para se sentir confortável em explorar gêneros como samba e bossa nova em VigiaNão Posso Mais e Afeto Manifesto.

“A Gente Mora no Agora”abre suas alas com a excelente A Lei Desse Troço onde o dinossauro (com todo respeito) do rock encontra um dos artistas mais conceituados da atualidade – já de muito tempo para cá, na verdade -, o rapper Emicida.

Na poética Vou Te Encontrar Miklos reedita a parceria com Nando Reis. A música é, inclusive, muito característica de Reis (foque na letra). Faz lembrar e ficar com saudades das suas antigas composições interpretadas pela maravilhosa Cássica Eller.

O álbum acaba com Deixar de Ser Alguém, uma marchinha que te leva direto para um carnaval de rua no melhor estilo “de raiz”, e com Eu Vou. Adendo: é difícil dizer qual a melhor música, mas com certeza Risco Azul está entre elas.

Paulo Miklos já foi pra lá e pra cá, já cantou, tocou guitarra, produziu, atuou e continua a fazer tudo isso com relevância não se apegando apenas em um de seus talentos, mas como sempre, se arriscando.

Uma das moradas do rock brasileiro foi passear por outras outras bandas com a maestria que só um artista plural pode fazer. Afinal, Paulo Miklos mora no agora e o agora é cheio de possibilidades.

 

 

Foto: Divulgação/Internet

Comentários