Resenha: O acústico era o álbum que o Raimundos precisava

raimundos-capa-dvd-acustico

Não escrevo resenhas enumerando os aspectos técnicos de um disco, mas sim o sentimento que ele me traz e pra onde ele me leva. Nas linhas abaixo vocês vão entender o que eu quero dizer.

Se você tem a minha idade ou mais, ou até um pouquinho mais jovem, deve se lembrar do sucesso que foi o projeto Acústico MTV. O formato fez com que grandes bandas dos anos 80 voltassem ao estrelato nas décadas seguintes. Titãs e Capital Inicial são alguns dos exemplos.

Bem, a gente começa falando justamente disso pois uma das bandas mais queridas dos anos 90 aqui na terrinha foi o Raimundos. Letras debochadas, zoera never ends, shows lotados e tudo mais.

O resto da história vossa senhoria conhece então nem vamos citar AND a gente acha até hoje que a emissora deveria ter feito um acústico com eles. Enfim, gravaram um ao vivo, muito bom por sinal, mas não acústico.

Lembro da época de escola em que eu e um brother tocávamos violão e muita coisa do Raimundos. Letras fáceis, músicas idem – tá, nem tanto, a gente ralava pra tirar acordes e solos direitinho -, e sempre falávamos disso. “Porra, a MTV tem que gravar um acústico com os caras!”.

“Lembro da época de escola em que eu e um brother tocávamos violão e muita coisa do Raimundos”

Mas né, a MTV não fez isso e ainda teve a pachorra de voltar com esses programas bostas de hoje em dia, mas quem ousaria impedir o Raimundos de fazer um acústico? FO-DA-SE a MTV, uma banda que passou pelo que passou e tá aí, amigo…

Gravado em Curitiba, o “Raimundos Acústico” mostra versões dos maiores sucessos do grupo não apenas nos violões, mas com metais, um teclado muito bacana e toda uma estrutura muito legal. O disco ficou realmente muito massa, confesso que surpreendeu!

A empreitada começa com Gordelícia, que digo que é a melhor música deles desde o lançamento de “Só No Forévis”. Os metais aqui são uma bela aquisição. O Pão da Minha Prima é uma das favoritas e foi transformada num skazinho gostosura de ouvir, além do mix com a clássicona Monkey Man.

“I Saw You Saying é a melhor das versões do disco. Linda, incrível e emocionante”

I Saw You Saying, sério! É a melhor das versões do disco, incrível e emocionante. Essa porra é de chorar de boa. A música já era uma baladinha grudenta do caralho (no melhor dos sentidos) e se já era uma das minhas favoritas, nessa versão então. Linda, fim.

Entre as participações especiais do disco estão Dinho Ouro Preto do Capital Inicial e Ivete Sangalo, sim ela mesmo! Dinho canta com eles na clássica Mulher de Fases enquanto que a Veveta manda ver em Baculejo e A Mais Pedida.

Vai torce o nariz aí ô cabeça fechada, ela manda muito bem nas duas e como é legal uma banda com tanta história quanto o Raimundos se abrir assim e uma artista do porte dela topar a parada.

Outro momento emocionante do acústico é Lugar ao Sol do Charlie Brown Jr., contemporânea do Raimundos, que teve no projeto as cordas de Marcão, guitarrista da banda de Santos, e ele ainda canta. Em tempos que muitos choraram as mortes de Chorão e Champignon, Lugar ao Sol tocada pelo Raimundos era tudo que os dois precisavam.

“Em tempos que muitos choraram as mortes de Chorão e Champignon, Lugar ao Sol tocada pelo Raimundos era tudo que os dois precisavam”

Me Lambe, Puteiro em João Pessoa, Esporrei na Manivela e Eu Quero Ver o Oco formam o quarteto final do disco. Fica aquele gostinho de volta ao passado, à escola e quando ia na banca comprar as revistinhas de cifras e tentava aprender a tocar as músicas que eu gostava no violão. Não tinha essas caralha de tablatura na internet e muito menos tutorial no Youtube.

Nos anos 90 o Acústico MTV era o resgate de grandes bandas, mas o “Acústico Raimundos” não é nada disso. Pra quem gosta o Raimundos nunca precisou e muito menos vai precisar ser resgatado, ele sempre vai estar aqui com a gente.

“Pra quem gosta, o Raimundos nunca precisou e muito menos vai precisar ser resgatado, ele sempre vai estar aqui com a gente”

É isso, ouve aí.

 

Foto: Divulgação/Internet

Comentários