Saiba como foi o último show do ano do Sepultura, com a turnê “Machine Messiah” em Porto Alegre

4 (1)Após uma grandiosa apresentação no Rock in Rio com a participação especial da Família Lima, e uma turnê mundial bem sucedida do álbum “Machine Messiah”, a banda Sepultura realizou em Porto Alegre a sua última apresentação do ano. O show com 2 horas de duração ocorreu no bar Opinião, no sábado, dia 16 de dezembro.

Às 20h20 o quarteto subiu ao palco e em um dia de sol escaldante com os termômetros marcando acima dos 35ºC na capital dos gaúchos. O fãs receberam com gritos e braços abertos, depois de um ano da última apresentação na cidade:  Derrick Green (vocal), Andreas Kisser (guitarra), Paulo Jr. (baixo) e Eloy Casagrande (bateria).

A noite começou com I Am The Enemy e Phantom Self, músicas do mais novo trabalho “Machine Messiah” (2017), que foram muito bem recebidas pelo público que já estava em êxtase no local aguardando a única apresentação da casa. Em seguida, Kairos  – do disco homônimo (2011) manteve os ânimos elevados.

2 (3)

O primeiro clássico da noite veio com Desperate Cry, música responsável pela formação das primeiras rodas que agitaram a pista. Em Iceberg Dances, um solo de violão de Andreas, e em seguida tocaram Choke, faixa do “Agaisnt” (1998), nos fazendo relembrar que presença marcante de Derrick nos vocais completará vinte anos – o que significa um marco importante na história da banda e uma fusão de culturas emblemática para os fãs: Derrick é intenso, carismático e mistura elementos crus e modernos à banda.

Logo após agradecimentos à plateia, foi a vez do “Chaos A.D” – saudoso álbum de 1993, que fez os ânimos ficarem ainda mais elevados com Biotech Is Godzilla/Policia, Territory e Refuse/Resist, melhor impossível para o ápice de um show que teve como público fãs de todas as idades e fases da banda.

3 (2)

Nos momentos finais, os caras fizeram questão de exaltar os fãs de carteirinha que acompanham o grupo e dedicaram SEPULTURA Under My Skin a todos aqueles que têm a “marca” no corpo como tatuagem.

“Vida longa ao Sepulnation!”

“Vida longa ao Sepulnation!” – nas palavras de Andreas Kisser, que também aproveitou a oportunidade para saudar torcedores do futebol e dizer palavras de motivação aos gremistas que estavam presentes no local, mesmo com o desapontamento da tarde na derrota do Grêmio para o Real Madrid – e destacou todo o mérito da trajetória do vice-campeão no Mundial de Clubes.

1 (1)

E para encerrar e descer a lenha não poderia ser outra batida: Roots Bloody Roots com a casa cheia e assim provando que Sepultura deve seguir com a missão de  passar todos os finais de ano pela capital dos gaúchos – o que ocorreu em 2016 e se repetiu agora em 2017.

Setlist – SEPULTURA:

1- (Intro)

2- I Am The Enemy

3- Phantom Self

4- Kairos

5- Desperate Cry

6- Machine Messiah

7- Inner Self

8- Sworn Oath

9- Iceberg Dances

10- Choke

11- Resistant Parasites

12- Biotech Is Godzilla/Policia

13- Territory

14- Refuse/Resist

15- Arise

16- Sepultura Under My Skin

17- Ratamahatta

18- Roots Bloody Roots

 5 (1)

Texto e fotos: Daiane Costa e Day Montenegro (veja mais fotos aqui)

Realização: Pisca Produtora e Opinião Produtora

Comentários