Templo do heavy metal é documentado. Confira a resenha da estreia de ‘Woodstock, Mais Que Uma Loja’

Se você é fã de heavy metal com certeza irá se emocionar com este documentário. Woodstock, Mais Que Uma Loja relata os primórdios da cena heavy metal no Brasil, especificamente São Paulo, onde tudo começou.

A estreia em São Paulo aconteceu no Cine Matilha, neste sábado, 06,  com entrada de gratuita.

Liderado por Walcir Chalas, o documentário traz grandes recordações e depoimentos de gigantes do metal, entre eles Andreas Kisser (Sepultura) e Max Cavalera (Cavalera Conspiracy).

Quem se reunia na loja nos anos 80 também comentou sobre a importância da Woodstock na formação musical pessoal e relembrou o dia em que viu a primeiro vídeo de um show do Iron Maiden pela tv de 14 polegadas, claro, da Woodstock.

Walcir fazia da loja uma verdadeira Disney dos rockeiros. Trazendo malas e malas de discos de vinil importados, ele, era a única fonte de informação entre o que estava acontecendo em Londres e fornecia aos headbangers famintos do Brasil.

wood2

Muitas histórias marcantes são contadas no documentário, porém uma delas deixou muitos espectadores arrepiados.

Eis que dois moleques de Belo Horizonte, faziam ‘vaquinha’ entre os amigos e uma vez por mês um deles era escolhido para ir até São Paulo comprar discos no templo do rock. Esses mineirinhos que chegavam na loja encantados, além de serem atendidos por Walcir recebiam alguns alertas: “Não saiam agora com esses discos caros aí! Fiquem aqui mais um pouco, quando tiver menos pessoas na rua aí vocês vão.” A volta para Belo Horizonte era angustiante. As horas não passavam para finalmente ouvir o Black Metal do Venom. Essas crianças eram apenas os precursores de uma das maiores bandas de heavy metal do mundo, Igor Cavalera e Max Cavalera, os irmãos que fundaram o Sepultura.

Dentre muitos outros relatos de encher os olhos de lágrima e outros que dão vontade de gritar ‘Puta que pariu!’ o documentário ‘Woodstock, mais que uma loja’ é um prato cheio para quem é apaixonado pela junção do volume alto de guitarras, bateria, baixo e AAAAAAARRRRRRRRRRRRRRGGGGGGGGGGGGHHHHHHH!!!

Obrigada Walcir Chalas. Parabéns pelos 36 anos dessa imensurável dedicação.

 

Fotos: Divulgação/Internet

Comentários