Vinyl Laranja mostra como fazer rock chapado e moderno

Se você, assim como eu, está cansado daquele rock and roll comportadinho e bom moço, então vai se ligar muito nessa! A gente apresenta por aqui em parceria com nossos amigos da Monstro Discos a Vinyl Laranja. Cola com a gente que você não vai se arrepender.

Manja aquele rock transgressor e chapado de outrora? Like a Tony Iommi ou então pra citar um mais moderninho, o Josh Homme? Junte isso ao peso atual e pronto, a fórmula perfeita pra deixar o hype de lado e dar vida a um som mais poderoso e pesado.

Depois de um disco (Unchangeable Past Fleeting Future, de 2016) produzido na gringa e com a assinatura de Andrew Hernandez e Kevin Szymansky (também produtor de discos do Queens of the Stone Age e Foo Fighters), O Vinyl Laranja optou por uma metodologia mais caseira.

Gustavo Vazquez (que já assinou discos do Macao Bong, Sheena Ye e outros) e o guitarrista Andro Baudelaire assumiram a elaboração de “Vinyl Laranja para criar um álbum de rock and roll, mas com muitas experimentações, refrões pop e até com “baladinhas” como Peels Likes Porcelain e Secret Society of Overthinkers.

O disco, pra vocês terem uma ideia, foi gravado direto na mesa e soa como os sons brazucas dos anos 70 e com aquela sujeirada toda gostosa de bandas como Sabbath, Hendrix, Led Zeppelin e tantas outras que se tornaram referência quando o assunto é rock and roll.

Criado em Belém, em 2004, o Vinyl Laranja é formado por Andro Baudelaire (guitarra e vocal), Bruno Folha (baixo) e Lucas VH (bateria) e já rodou o país tocando em grandes festivais nacionais e fizeram uma turnê com mais de 60 shows nos Estados Unidos e duas participações no lendário South by Southwest, em Austin (Texas).

Com esse currículo aí a gente não precisa falar mais nada, é só dar o play nesse discão e curtir!

 

 

Foto: Divulgação/Internet

Comentários